FESTIVAL INTERNACIONAL DE CINEMA DE GUADALAJARA COM 2 FILMES PORTUGUESES NA COMPETIÇÃO

26/02/2016
Na sua 31ª edição, o Festival Internacional de Cinema de Guadalajara aparece-nos renovado, de horizontes alargados e com a seleção de 2 filmes portugueses na competição daquele que é um dos festivais mais importantes da america-latina.

"Blood Brothers” e "Macabre” são as 2 obras portuguesas escolhidas para integrar o cartaz do festival que este ano tem ainda a Suíça como país convidado.

 

PORTUGAL EM GUADALAJARA

Não é a primeira vez que o festival de cinema mexicano integra filmes portugueses na competição. Em 2009 contava com "Aquele Querido Mês de Agosto” de Miguel Gomes e "Entre os Dedos” de Frederico Serra e Tiago Guedes, que são só dois exemplos de filmes mais conhecidos.

Este ano não foge à regra com a inclusão de "Blood Brothers”, de Marco Espírito Santo e Miguel Coimbra, filme que acompanha uma noite na vida dos Forcados Amadores de Montemor; e "Macabre”, de Jerónimo Rocha e João Miguel Real, uma animação portuguesa passada numa noite escura que tem tanto de sombrio como de fascinante. Marco Espírito Santo e Miguel Coimbra foram ganhando nome na indústria audiovisual através da realização de vários filmes comerciais e publicitários de marcas de renome, já Jerónimo Rocha e João Miguel Real estão no ramo da animação desde 2005, num dos estúdios com mais relevância em Portugal.





GUADALAJARA, CIUDAD DEL CINE

A história do cinema mexicano é muito singular e está irrevogavelmente ligada às últimas 4 décadas. Uma história que assistiu à criação de novos públicos e de novas sensibilidades, que atraiu espetadores, realizadores, atores e obras estrangeiras a um país onde o cinema ainda não é indústria de destaque. É dessa história que faz parte o Festival internacional de Cinema de Guadalajara a acontecer já de 4 a 13 de março na cidade homónima, no México.

O Festival Internacional de Cinema de Guadalajara chega este ano à sua 31ª edição com um espírito renovado sem que isso tenha corrompido a sua essência original. Guadalajara vai premiar a qualidade do cinema mexicano, mas não se fica por aí. Com uma oferta vasta e diversificada, conta com a exibição de 12 das mais notáveis produções da cena internacional, duas delas portuguesas. Uma abrangência de forças que é sustentada por múltiplas parcerias, entre elas o "Berlinale” - Festival de Cinema de Berlim e "San Sebastián Festival Internacional de Cinema”, que são apenas duas amostras num panorama muito rico.

Esta edição fica ainda marcada pelo seu regresso ao centro da cidade de Guadalajara, com mostras cinematográficas em múltiplos espaços, uma iniciativa que lhe vem confirmar a sua identidade e reforçar os laços com a cidade onde nasceu e com quem a habita. Para além disso faz com que o festival se estenda a um maior número de participantes, aumentando a criação de audiências.





SUIÇA, O PAÍS DESTACADO

A Suíça é o país convidado e que muito tem aumentado o apelo a esta edição. Até porque quando falamos em cinema suíço, falamos do ator Bruno Ganz e dos realizadores Jean-luc Godard, Ivan Allégret e Alain Tanner - o génio por trás de "Jonas” e "Les Années Lumière”, duas obras que conciliam o ato impossível de voar com o desejo de liberdade de consciência e que tanto marcaram o a história do cinema.





O Festival de Cinema de Guadalajara já é referencia internacional na indústria cinematográfica, por isso é um orgulho que Portugal lá esteja representado com dois filmes no meio de um panorama tão rico. Que comece a sessão!