AS PRODUÇÕES NACIONAIS NA BERLINALE

28/01/2017
Antes que a Berlinale comece, queremos que conheça os filmes que marcam presença neste Festival internacional de cinema.

UMA COMPETIÇÃO COM DOIS FILMES

O novo filme de Teresa Villaverde foi selecionado para a 67ª edição do Festival Internacional de Berlim, na Competição Oficial, a secção mais importante e prestigiada deste evento, para as longas-metragens. Em COLO pode assistir a uma reflexão muito atual, e quase serena, sobre o nosso caminho comum enquanto sociedades europeias. Fala sobre o nosso isolamento e a nossa perplexidade perante as dificuldades que nos vão surgindo. Um filme em tensão crescente que nunca chega a explodir. Conta com os atores João Pedro Vaz, Alice Albergaria Borges, Beatriz Batarda e Clara Jost. Agora recuamos no tempo, até ao século XVIII, e apresentamos JOAQUIM, de Marcelo Gomes, uma produção luso-brasileira. Esta longa-metragem com produção da Ukbar Filmes, recria a figura histórica de Joaquim Xavier, o Tiradentes, considerado por muitos um herói nacional, na primeira tentativa de tornar o Brasil independente.

4 REALIZADORES PORTUGUESES NA BERLINALE SHORTS

Na competição de curtas-metragens da 67ª edição da Berlinale vão estar os realizadores Salomé Lamas, João Salaviza, Gabriel Abrantes e Diogo Costa Amarante, com as 4 curtas-metragens selecionadas para a secção competitiva Berlinale Shorts. Em OS HUMORES ARTIFICIAIS, de Gabriel Abrantes,  assistimos a uma extravagante odisseia sobre o romance entre Jo, uma caricata jovem indígena que foge da sua aldeia para São Paulo,  e Coughman, um robot inteligente capaz de fazer piadas, sob o pano de fundo dos direitos indígenas e o activismo político. Salomé Lamas apresenta-se na edição deste ano com COUP DE GRÂCE, cuja personagem principal, Leonor, volta de viagem num dia em que o seu pai Francisco já não a esperava. No espaço de 24 horas viverão uma realidade alucinada conduzida, em crescendo, pela inquietação do pai num registo de aparente normalidade. Na CIDADE PEQUENA, de Diogo Costa Amarante assistimos a um dia em que Frederico aprende na escola que as pessoas têm cabeça, tronco e membros, e que se o coração parar as pessoas morrem. Nessa noite, ele não dormiu. e acordou a mãe várias vezes para dizer que lhe doía o peito. Por fim, em ALTAS CIDADES DE OSSADAS, de João Salaviza vamos conhecer Karlon, nascido na Pedreira dos Húngaros e pioneiro do rap crioulo, que fugiu do bairro onde foi realojado. Altas Cidades de Ossadas é um tateio inquisitivo e imaginativo às suas memórias, ao cerco institucional, e às histórias submersas de um tempo sombrio.


OUTRAS SECÇÕES COM PRODUÇÃO NACIONAL

Na edição deste ano, o cinema em Português marcará presença com ODD É UM OVO, de Kristin Ulseth, na Short Films Generation Kplus, o filme SPELL REEL, de Filipa César, que integra a lista de 43 filmes selecionados para o Forum 2017: Realistic and Surreal e na secção Panorama teremos VAZANTE, de Daniela Thomas

ODD É UM OVO tem como produtor Luís da Matta Almeida que iniciou este projecto em 2012, acordando com a autora e ilustradora norueguesa Lisa Aisato, a adaptação do seu livro: "Odd er et egg", posteriormente convidou Kristin Ulseth para o coproduzir.

VAZANTE explora a solidão e as relações entre raças e géneros nas margens do Brasil Colonial. Brancos, negros nativos e recém-chegados de África sofrem as mazelas da incomunicabilidade numa fazenda imponente, na decadente região dos diamantes, em Minas Gerais. Esta história passa-se no início do século XIX.

SPELL REEL é um arquivo de material audiovisual que reemerge em Bissau. À beira da ruína completa, as imagens testemunham o nascimento do cinema Guineense enquanto parte da visão descolonizadora de Amílcar Cabral, o líder da libertação assassinado em 1973. Das aldeias mais isoladas da Guiné Bissau às capitais europeias, as imagens silenciosas são agora o lugar onde todos procuram antídotos para um mundo em crise.

MAIS PRESENÇA PORTUGUESA NA BERLINALE

A atriz Victoria Guerra será a Shooting Star portuguesa, seleccionada por um Júri Internacional composto por produtores, realizadores, produtores e directores de casting. O produtor e realizador Mário Patrocínio e o realizador Luís Campos estarão na Berlinale Talents, bem como o projecto A SHORT FILM FOR THE DEAD, do singapurense Daniel Hui, co-produzido por Tan Bee Thiam, Joana Gusmão e Pedro Fernandes Duarte.

De destacar também, no dia 11 de fevereiro, a apresentação pública do novo sistema de tax incentives para a rodagem de filmes em solo português, no The Mirror.

Como habitualmente, o ICA estará presente em Berlim com um stand no Mercado Europeu do Filme, evento paralelo ao Festival ao qual acorrem profissionais do cinema de todo o mundo.